O que é saúde financeira e como preservar a dos colaboradores

Compreender o que é saúde financeira, do conceito à aplicação, é o primeiro passo para preservá-la, sobretudo quando temos noção do seu impacto no ambiente de trabalho. Como expomos em nosso eBook gratuito, os problemas financeiros dos colaboradores podem afetar negativamente seu desempenho, sua produtividade e, consequentemente, os resultados da empresa. Por isso, tratar deste tema é uma forma não só de ajudar a cada pessoa que faz parte da equipe, mas também de garantir maior engajamento. Continue a leitura para saber mais! 

O que é saúde financeira pessoal? 

Não é difícil entender o que significa saúde financeira pessoal. Basicamente, esse termo diz respeito ao impacto positivo que a organização financeira tem na qualidade de vida de um indivíduo. Ela se manifesta, inclusive, como forma de combate à dinheirofobia. Ao contrário do que muitos pensam, isso não se refere à quantidade de dinheiro que se tem; mas sim à forma como essa quantia é administrada, sem causar estresse ou grandes preocupações. 

Como cuidar da saúde financeira? 

Garantir uma vida financeira saudável exige controle, transparência e muita disciplina na hora de tomar decisões. Confira as dicas a seguir e transmita aos funcionários tudo o que é preciso para alcançar e manter sua saúde financeira (familiar ou individual). 

Invista em cursos sobre o tema 

Buscar conhecimento é sempre importante. Pesquise sobre educação financeira, leia livros de economia e finanças, assista vídeos ou palestras com especialistas, faça cursos. Em seguida, planeje os próximos passos com base em todo o aprendizado adquirido, pois não adianta viver apenas de teoria e nunca executar ações que, de fato, impactem sua situação financeira. 

Analise gastos e ganhos 

Observe seu padrão de vida e questione: ele está de acordo com o quanto você recebe? Você consegue fazer sobrar dinheiro, ao final do mês? Ou vive “no vermelho”, com dívidas a pagar? Ao visualizar seu orçamento, delimitando bem o valor que entra e o quanto sai, essas perguntas podem ser respondidas com sinceridade. Organizar os gastos (atuais e futuros), administrando-os dentro da realidade do salário ganho, é uma forma de evitar que a conta fique negativa.

Pessoa observando, pelo computador, gráficos referentes à sua administração financeira.
Antes de começar a organizar-se, é importante fazer uma análise autocrítica em relação às suas finanças pessoais.

Crie uma poupança ou uma reserva de emergência 

Preparar-se para imprevistos é essencial. Sempre que possível, poupar deve ser uma prioridade. Procure separar, a cada mês, um determinado valor (ainda que pequeno) para guardar em sua reserva. À medida que for se acostumando, experimente aumentar essa quantia mensal, a fim de deixá-la à disposição para necessidades urgentes. 

Gaste proporcional ao quanto recebe 

Pode parecer óbvio, mas o ideal é não gastar mais do que se ganha. Mesmo em caso de compras divididas, o recomendado é que cada parcela se encaixe adequadamente no orçamento, para não gerar problemas no futuro. 

Pratique o consumo consciente 

Após repensar suas finanças de um ponto de vista mais crítico, comece a pôr em prática o consumo consciente. Enxergue além dos motivos emocionais que lhe levam a efetuar uma compra e identifique que benefícios essa operação, por mais simples que ela seja, vai lhe trazer. Realize gastos necessários, de qualidade, para que sobre mais recursos e que estes possam ser utilizados para um bem maior, assegurando boas condições de educação, saúde, conforto e lazer à sua família. 

Pague as contas em dia 

Com as despesas (fixas e variáveis) inseridas em planilhas digitais ou mesmo escritas no papel, as chances de atraso ou endividamento caem drasticamente. O acompanhamento desses custos é tão fundamental quanto o planejamento financeiro e permite que os valores sejam geridos com maior assertividade e respeito aos seus próprios limites. 

Cuidado com os juros 

Evite dívidas no cartão de crédito ou com instituições financeiras. As multas e os juros representam ameaças à saúde financeira. Em caso de necessidade ou urgência, verifique no mercado qual opção é a que melhor se adequa à sua realidade. O crédito consignado, por exemplo, é conhecido por suas parcelas fixas, prazos longos e juros menores, dentre outras vantagens. 

Estabeleça metas de curto, médio e longo prazo 

Reúna a família para uma conversa franca sobre dinheiro. Defina, em conjunto, qual será o objetivo para o ano que vem. Pode ser uma viagem, uma nova pintura na casa ou a compra de um automóvel, por exemplo. Em seguida, estipule um plano de ação para que todos possam contribuir e chegar até a quantia necessária. Dessa forma, todos se engajam e acompanham, de uma maneira mais palpável, a realização de um sonho. 

Pessoa fazendo anotações relacionadas aos seus objetivos financeiros.
Colocar suas metas e objetivos no papel é uma forma de definir onde e como você e sua família desejam estar (de um ponto de vista financeiro), sendo este um passo fundamental para a materialização desses desejos.

Reserve dinheiro para investir em qualidade de vida 

Estabilidade financeira e qualidade de vida andam lado a lado. O caminho até esse equilíbrio deve ser traçado e percorrido, ainda que o processo demore algum tempo. Cada etapa tem sua importância, desde economizar até investir – sempre colocando sua satisfação e bem-estar (físico e mental) em primeiro lugar. 

Tenha planilhas de acompanhamento 

Trabalhar com planilhas, de forma geral, é uma forma de manter registros e suas respectivas análises de maneira mais organizada e estratégica. Kits de planilhas de gestão de indicadores e de plano de ação, por exemplo, quando voltadas às áreas de RH e DP, podem acompanhar métricas, mostrar resultados e otimizar performances. Em um contexto de administração financeira, esse cuidado também é primordial, pois permite que sua receita seja disposta em diferentes, categorias, abas e seções, conforme o padrão criado. 

Qual a diferença entre saúde financeira e educação financeira?

Por mais que não pareça, existe diferença entre saúde e educação financeira. Enquanto uma está no ramo das teorias, a outra se refere à ação.

Em outras palavras, educação financeira são as teorias e as melhores práticas para conseguir organizar os gastos e os recebimentos. Já saúde financeira é a execução desses aprendizados, de fato realizando as escolhas que levam a uma vida mais controlada e consciente.

Educação e saúde financeira andam juntas, por mais que sejam coisas diferentes.

Por mais que não sejam a mesma coisa, uma depende da outra para acontecer. Sem educação, é impossível colocar a saúde financeira em prática. Podemos dizer, portanto, que ela é o caminho para uma vida mais organizada.

Se você gostou deste conteúdo, comece a fazer a diferença na vida dos seus colaboradores hoje mesmo! Conheça o MIXTRA, uma poderosa ferramenta de gestão que visa ajudar não só o RH e o DP das empresas, mas também os trabalhadores. Clique na imagem abaixo para entrar em contato e conhecer todas os benefícios que podemos trazer à sua organização!

Conheça o MIXTRA e garanta mais saúde financeira para a sua equipe!

Clara Dantas

Apaixonada por Comunicação e suas inúmeras possibilidades. Trabalha com redação criativa, copywriting, storytelling e técnicas de SEO. Enxerga a escrita como uma forma de aprender e de transmitir conhecimento a outras pessoas.

O MIXTRA é parte do Grupo DB1

Há mais de 20 anos trabalhando com expertise em tecnologia, o Grupo DB1 desenvolve soluções para os segmentos de e-commerce, de fintechs e de transformação digital.

Especialistas em automação e em inovação alinhadas à valorização de pessoas, o Grupo DB1 está há 12 anos sendo reconhecido pelo Great Place to Work dentro de diversas categorias.

Há dois anos consecutivos, o grupo é reconhecido como uma das empresas que mais crescem na América Latina pela Financial Times e conta, hoje, com mais de 800 colaboradores.
Maringá: +55 (44) 3033-6300

Avenida Carneiro Leão 563 Centro Empresarial Le Monde 2° andar sala 9, Maringá - PR CEP 87014-010